Não consigo respirar…

 Por Mauricio Pestana *

O assassinato de um jovem negro nos Estados Unidos por um policial branco, que foi absolvido, virou motivo de protestos unindo negros e brancos na Europa e EUA como há muito tempo não acontecia. E o Brasil, segunda nação mais negra do mundo como se coloca neste contexto?

Carta Capital - De Ferguson a São Paulo

Foto: Carta Capital

De acordo com a ONU, as Américas têm a maior taxa de homicídios global. Nosso país reúne 10% do total de homicídios do planeta. Curioso é que segundo o Mapa da Violência (2014), não aconteceram grandes mudanças na taxa nacional de homicídios nos últimos 10 anos por aqui. Ao contrário, a taxa de 28,9 homicídios por 100 mil habitantes em 2002 teve praticamente o mesmo índice em 2012.

O que aconteceu é que, no Brasil, de acordo com o Mapa da Violência, o número de vítimas brancas diminuiu de 19.846 em 2002 para 14.928 em 2012, representando uma queda de 24,8%. Entre os negros, as vítimas aumentaram de 29.656 para 41.127, respectivamente, um crescimento de 38,7%. Ou seja, entre 2002 e 2012 o número de homicídios se manteve estagnada de forma geral, diminuiu entre os brancos e aumentou entre os negros. A vitimização negra nestes 10 anos cresceu 100,7%

A perversidade do racismo brasileiro, a omissão dos órgãos de segurança pública, dos meios de comunicação e o silêncio da população branca e negra não têm qualificado o problema na envergadura que merece, uma vez que se apresenta como sendo um dos maiores desafios na questão da violência institucional brasileira. O tema não encontra o eco necessário nem mesmo nos movimentos sociais, quando muito, um ou outro sai denunciando.

Os telejornais, ao noticiarem os protestos nos EUA ou em Londres, reforçam a expressão: “era um jovem negro, morto por um policial branco”. Aqui no Brasil, os homicídios que vitimizam a esmagadora maioria de jovens negros são temas dos quais os meios de comunicação se afastam, a vítima aqui nunca tem cor. Nem a vítima, nem o agressor. De vez em quando, a cor vira, no máximo, estatística para alguns estudiosos do assunto estarrecer-se. E continuamos achando que o problema do racismo e da violência letal contra os jovens negros não é coisa do Brasil!

* Jornalista, escritor e cartunista Atualmente ocupa o cargo de secretario adjunto da secretaria da promoção da igualdade Racial da cidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s