OMNIRA, amor e compromisso com o rap

Por Bocada Forte

Com conceitos e levadas africanas em suas músicas, OMNIRA trabalha para evidenciar sua luta por liberdade para todos, discursando contra o racismo, a favor do empoderamento de minorias, sobre a fé nos orixás e a liberdade de ser e agir.

Na companhia de diversas influências principalmente na parte do reggae, gangsta rap, samba e demais vertentes o grupo levou sua vibe positiva em todos os eventos que participou no decorrer do último ano e em 2016 trabalha seu álbum “GRITO DE LIBERDADE”, homônimo do single lançado em setembro de 2015, nas palavras do grupo: ”O intuito desse disco é que os ouvintes fiquem à vontade e viagem com as músicas, mas claro trazendo a responsabilidade abordando temas que os façam refletir.’’

Omnira / Foto: Adegadoaguinho. Evento ‘Cris SNJ Convida’ (Nov/2015).


Bocada Forte: Falem da formação do grupo, como ele surgiu e quem são integrantes?

Omnira: Surgimos a partir de uma conversa. Nós queríamos voltar pra cena, a Paty colou com uma letra muito loca e a gente desenvolveu essa música e criamos o grupo. Os integrantes são Paty Treze, Janaína D’Notria, Juliana Sete e DJ Neew. Temos entre 25 e 30 anos. A Janaína D’Notria e a Juliana Sete moram no Jaraguá, zona oeste de São Paulo. A Paty mora no bairro Pedreira, zona sul e DJ Neew no Embu, municipio bem próximo a zona sul.

Bocada Forte: Significado de Omnira e porque a escolha do nome com influência africana?
Omnira: Queríamos um nome africano, que expressasse o que queríamos dizer e como queríamos atuar.12031591_1510065339315688_6676484854181686037_o Aí ficou Omnira, que quer dizer Liberdade em yorubá. Somos descendentes de negros africanos, nada mais justo do que honrar nossa ancestralidade, como dar nome e voz ao nosso grupo.

Bocada Forte: Como funciona o processo de criação das músicas?
Omnira: Gostamos de escrever juntas. Processo de criação coletiva. Algumas ideias batem, outras nem tanto e outras em nada, mas acontece, quando nos falta tempo de nos reunir para criar, fazemos partes individuais e mandamos umas para outras: letras e áudios gravados. Nosso processo de criação é muito pessoal. Quando a gente se junta, a gente já tem uma pré do que vai desenvolver coletivamente. O bom é que mesmo cada uma com sua identidade musical , nossas ideias casam bem no produto final.

Bocada Forte: Qual a principal objetivo do grupo?
Omnira: Nosso principal objetivo é levar informação, empoderamento, poesia, entretenimento dentro de um conjunto, com tudo isso em proporções iguais. Nosso canto é um grito. Uma boca no trombone. A mulher ainda encontra muitas dificuldades dentro de qualquer setor da nossa sociedade. O hip hop não é diferente. A maioria esmagadora da cena é de homens. Mas as mulheres do hip hop são muito ativas. Tem mulher chegando de todo lado e isso só tende a aumentar a demanda de produto de mina na rua. O machismo existe, mas as mulheres resistem.

Bocada Forte: Qual a opinião do grupo com relação ao cenário atual da mulher no hip hop brasileiro?
Omnira: As mulheres estão a cada dia conquistando mais protagonismo e voz no rap. Sabemos que é um cenário machista, mas estamos condicionadas a lutar pelo nosso espaço, por direito e honra.

Bocada Forte: O movimento feminista no Brasil vem se organizando em diversas frentes para combater o machismo e violência contra a mulher. O Omnira se considera um grupo feminista?
Omnira: Sim! Com exclamação. Somos feministas, lutamos pelo direito das mulheres de serem livres de opressões (físicas, espirituais, materiais, seja o que for contra ser livre).

 

1

Evento do dia das crianças no Grajaú-SP (Out/2015).

Bocada Forte: Muitos MCs dentro da música rap reproduzem machismo inclusive em videoclipes e declarações em shows e redes sociais. Como vocês lidam com essa situação, principalmente cantando muitas vezes em eventos onde a maioria dos grupos são formados por homens?
Omnira: Nosso discurso e postura permanecem os mesmos. Nos eventos não escondemos nossa militância. Alguns homens reagem mal e nos tratam como hora de entretenimento “Agora as minas vão cantar, vamos pro recreio.” Sai pra fumar, comer, saudar os manos, ir no banheiro… Não nos abalamos. Pisamos firme e fortes e continuamos nosso caminho. Nossa luta vem de anos, então sabemos lutar.

Nossa resposta vem nas nossas ações. Quando a gente sai de casa e a Juh deixa 4 filhos a Jana que também tem uma filha, a Paty e o DJ Neew (que é um homem que apoia muito nosso crescimento), que trampam e moram longe do nosso núcleo de maior atuação… Nosso amor e compromisso com o que fazemos. Nossas mensagens. Tudo isso responde pro machista que estamos vivas e dispostas a ocupar o espaço que também é nosso. Respostas vem com atos.

Bocada Forte: Quais grupos da cena atual do rap vocês indicam para ouvir?
Omnira: Gostamos de tudo. Escutamos muita coisa independente: Fora de Freqüência, Otah ideia, Preta Rara, Luana Hansen, Bia Doxum, Dory de Oliveira. É uma galera da cena independente, que o grande público as vezes nem busca acessar e são fodas com discurso.

Bocada Forte: Qual a principal meta do grupo e quais trabalhos estão por vir?
Omnira: Nossa meta é ser voz. Queremos falar das mazelas, das alegrias, das crenças, das diversas pautas da periferia, da nossa ancestralidade. Nosso nome não é liberdade em vão. Queremos ser, falar levar e agir conforme isso. Nosso trabalho não para. E estamos na articulação de um videoclipe, do nosso disco e buscando sempre sinceridade do nosso trabalho com nosso público.

Facebook Página Oficial
Spotify
Instagram Oficial

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s