Desigualdade de gênero amplia desafios para adolescentes brasileiras

menina direitos

Machismo, dificuldades para conseguir estudar e trabalhar, dúvidas sobre sexualidade, gravidez precoce e, atualmente, vírus zika e microcefalia. Estas são algumas das preocupações que atingem adolescentes brasileiras ouvidas pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na ocasião do Dia Mundial da População, lembrado em 11 de julho.

Este ano, a data da ONU teve como foco a defesa dos direitos das meninas adolescentes, particularmente as mais pobres, fora da escola, exploradas ou alvo de práticas tradicionais prejudiciais, lembrou na semana passada o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Enquanto as oportunidades para os meninos tendem a se ampliar quando eles se tornam adolescentes, as chances para as meninas normalmente diminuem, principalmente nos países mais pobres. E as adolescentes são menos propensas a iniciar ou terminar o ensino secundário, lembrou o secretário-geral.

No Brasil, o cenário não é diferente.  Zélia, 22 anos, contou ao UNFPA que sempre enfrentou desigualdades em sua própria casa. “Meu pai vem de uma família muito tradicional e sempre me dizia ‘você não pode fazer isso porque você é mulher’ ou ‘você tem que seguir minhas regras porque eu sou o homem da casa’”, disse.

A menina, então, resolveu enfrentá-lo, dizendo que tinha os mesmos direitos que seus irmãos. “Corri atrás do que queria. O empoderamento das mulheres é uma ferramenta essencial”, declarou. “Nem todas as mulheres têm a autoestima para ir atrás de seus sonhos. O meu sonho é empoderar pessoas.”

Zélia também abordou a falta de uma educação sexual adequada nas escolas brasileiras. “Existe um componente curricular das escolas, mas a educação sexual não é debatida, não são trazidas realmente as dores que você tem, os problemas que surgem para os jovens não são trazidos”, disse.

Emanuelle, 18 anos, enfrentou por sua vez os desafios de uma gravidez precoce. Contaminada pelo zika vírus durante a gravidez, mas sem desenvolver sintomas, descobriu que sua filha tinha microcefalia quando estava no sétimo mês de gestação.

Estimativas do UNFPA indicam que, no Brasil, 20% das mães têm menos de 20 anos. Dessas, 40% abandonam a escola para abraçar a maternidade. Demanda não atendida por contraceptivos afeta até 4,2 milhões de mulheres em idade reprodutiva. Em 2014, nasceram 534.364 crianças filhos de mães na faixa de 15 a 19 anos.

A jovem Emanuelle conta com o apoio da mãe para criar a filha Aylla, de cinco meses, e para conseguir dar andamento aos estudos. “Saio de casa às 19h para ir à escola, volto entre as 20h e 21h. Minha mãe fica com a minha filha”, explicou.

“A médica me perguntou se quero ter mais filhos e eu disse: para mim chega, um filho está ótimo”, contou. “Em parte é bom ter filho. Mas na outra parte é um pouco complicado (…) para quem não tem o apoio da família, é melhor deixar para depois, para quando tiver trabalho, sua própria casa”. O plano de Emanuelle é conseguir um emprego depois que terminar os estudos.

Meninos entram na luta pela defesa dos direitos das meninas

Carlos, 28 anos, é rapper e membro da Rede de Protagonistas em Ação de Itapagipe, no município de Minas Gerais. Formada por adolescentes, a rede tem como objetivo defender os direitos dos jovens, combater as desigualdades e melhorar a qualidade de vida dos moradores do município.

Segundo Carlos, a rede tem se empenhado para defender os direitos das meninas na comunidade local. “Queremos abordar a questão da prevenção da zika, mas também do empoderamento das mulheres porque todo mundo está culpando as mães por as crianças nascerem com microcefalia”, disse.

“Algumas meninas que conhecemos aqui engravidaram e a gente as apoia. Uma delas, acho que tem 22 anos, teve uma criança com microcefalia. Sofreu muito preconceito, as pessoas a culpavam e, até no hospital, não era bem atendida por causa disso. Ela colocou várias questões para podermos ajudá-la, temos muitos parceiros na área da saúde e estamos acompanhando” a situação, disse Carlos.

Outro membro da rede de Itapagipe é Gabriel, 21 anos, que lembrou não ser por acaso que o vírus zika, a dengue e a chikungunya atingem mais a população negra do país.

“Infelizmente, a população negra (…) muitas vezes não tem o saneamento básico ideal ou uma coleta de lixo frequente e adequada e, então, o zika naturalmente afeta mais a população negra devido à falta de cuidados da prefeitura, do governo”, disse.

Via {Nações Unidas}

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s