Especialista do Unicef explica sobre como manter os direitos da criança e do adolescente na agenda eleitoral

Ana Luísa Vieira, do Promenino, com Cidade Escola Aprendiz

 

“Os desafios que ainda persistem precisam ser superados para que a igualdade de direitos seja uma realidade para todas as crianças e adolescentes do Brasil.” Com essa premissa, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)lançou a “Agenda pela infância: 2015-2018”.

O documento, de 40 páginas, é dividido em sete compromissos.974b5c72-aa58-4e36-8e24-4b3fadeaf584 São problemas centrais do Brasil, acompanhados de contextualização e propostas para enfrentá-los em escala federal, estadual e municipal. O material, dirigido aos candidatos a presidente, senadores, governadores e deputados, tem o objetivo de manter os direitos de garotas e garotos brasileiros na pauta política dos próximos anos — e ir além.

“A campanha que fizemos não é para dizer em quem você deve votar. Mas, depois de escolher em quem votar, você pode enviar esse material para o candidato e cobrá-lo Continuar lendo